“O Ser real é constituído de corpo, mente e espírito. Dessa forma, uma abordagem psicológica para ser verdadeiramente eficaz deve ter uma visão holística do ser, tratando de seu corpo (físico e periespirítico), de sua mente (consciente, inconsciente e subconsciente) e de seu espírito imortal que traz consigo uma bagagem de experiências anteriores à presente existência e está caminhando para a perfeição Divina.” Joanna de Ângelis

PERTURBAÇÕES NA INFÂNCIA

Sabemos que a criança é sempre um Espírito velho, que conduz muitas experiências evolutivas, embora a forma em que se apresenta. Não obstante, nesse período de infância sempre recebe maior apoio, a fim de que não haja prejuízos e impedimentos ao processo reencarnacionista que está empreendendo. Como se explicam, então, esses processos obsessivos que defrontamos, tais como a pedofilia?

A obsessão na infância muitas vezes é continuidade da ocorrência procedente da Erraticidade. Sem impedir o processo da reencarnação, essa influência perniciosa acompanha o período infantil de desenvolvimento, gerando graves dificuldades no relacionamento entre filhos e pais, alunos e professores, e na vida social saudável entre coleguinhas.

Irritação, agressividade, indiferença emocional, perversidade, obtusão do raciocínio, enfermidades físicas e distúrbios psicológicos fazem parte das síndromes perturbadoras da infância, que têm suas nascentes na interferência de Espíritos - perversos uns, traiçoeiros outros, vingativos todos eles...

Exemplo de uma menina de 7 anos, obsidiada – muito agressiva e desobediente, não obstante os castigos físicos aplicados pelos pais desinformados e confusos por não entenderem o que ocorre com a filha esperada com tanto carinho:

Tendo consultado um psicólogo, o mesmo anotara distúrbios de comportamento que vinha tentando solucionar sem penetrar na causa dos mesmos, que lhe escapavam por falta de conhecimento dessa parasitose espiritual. No curso em que o processo vinha recebendo atendimento dar-se-ia que, no futuro, essa criança seria candidata a terapias muito violentas e inócuas em grande parte, em razão das mesmas alcançarem somente os efeitos, não erradicando a causa central. Os fármacos ou neurolépticos conseguem, muitas vezes, auxiliar os neurônios na execução das sinapses, bloqueando as interferências espirituais, porém por pouco tempo.

A menina tinha, sem dúvida, a proteção do seu anjo da guarda. Sucede, porém, que os débitos contraídos eram muito graves, e a misericórdia divina já vinha amparando-a, sendo a reencarnação o melhor instrumento para a sua reparação. O processo, que se desenvolvia sob as bênçãos da lei de causa e efeito, culminaria quando a maternidade trouxesse o adversário aos braços da sua antiga inimiga, selando com amor os propósitos para futuros conúbios de felicidade. Ninguém caminha a sós e, por isso mesmo, na conjuntura aflitiva em que a menina se debatia, o seu Espírito protetor muitas vezes impedia que fosse arrastada pelo seu algoz para as regiões mais infelizes em que se situava, nos períodos do parcial desdobramento pelo sono físico, dificultando-lhe o domínio quase total que teria sobre suas faculdades mentais e os seus sentimentos de afetividade e de comportamento.

Inúmeros casos de AUTISMO, quando detectados na primeira infância, procedem de graves compromissos negativos com a retaguarda espiritual do ser, que renasce com as marcas correspondentes no perispírito, que se encarrega de imprimir as deficiências que lhe serão necessárias para o refazimento. Outrossim, aqueles que padeceram nas suas mãos cruéis acompanham-no, dificultando-lhe a recuperação, gerando situações críticas e muito dolorosas, ameaçando-o com impropérios e vibrações deletérias que não sabe decodificar, mas registra nas telas mentais, fugindo da realidade aparente para o seu mundo de sombras, isto quando não se torna agressivo, intempestivo, silencioso e rude.

No caso do exemplo, a terapêutica bioenergética, a sua participação nas aulas de orientação evangélica sob a luz do pensamento espírita, a água magnetizada e a psicoterapia da bondade, do esclarecimento, da paciência dos genitores libertá-la-iam da influência perniciosa, auxiliando-a a ter um desenvolvimento normal. Concomitantemente, porque em ambiente propício, os benfeitores da Vida Maior poderiam também conduzir o seu desafeto ao tratamento espiritual desobsessivo, alternando completamente o quadro em questão.

Como o amor liberta do pecado, todo o bem que viesse a realizar através da saúde comportamental e psíquica se lhe transformaria em recurso terapêutico, liquidando as dívidas e compromissos infelizes que lhe pesavam na economia da evolução.

Casos de crianças neuróticas, autistas, com distúrbios neurológicos, superativas têm a ver com a influência de entidades perniciosas que as afligem ou pioram seu quadro orgânico (a obsessão a ninguém poupa, em período algum da existência física, ou após a desencarnação).

Desde que haja "tomadas" receptivas, que são os desacatos às Leis Divinas, sempre existirão "plugs" para se lhe fixarem, produzindo a ligação doentia e desgastante da obsessão.

Material extraído do livro "Sexo e Obsessão"
de Manoel Philomeno de Miranda
por Divaldo Franco

Nenhum comentário:

Postar um comentário